Última hora
This content is not available in your region

Novo telescópio russo no espaço

Novo telescópio russo no espaço
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de vários anos de atraso por razões orçamentais o Rádio Telescópio russo Spektr-R movimenta-se, enfim por cima das nossas cabeças.

O projeto teve início na altura em que a Rússia era ainda União Soviética.

De uma massa terrestre de 3,8 toneladas, o aparelho dispõe de uma antena de 10 metros de diâmetro que lhe permite comunicar com as estações de alta resolução.

O astrofísico Nikolay Kardashev explica: “O Hubble permite observar objetos a grandes distâncias, mas o anglo de resolução e os detalhes não são muito elevados. Deveríamos ser capazes de receber imagens, centenas de vezes melhores em qualidade do que o Hubble.”

A órbita dos telescópios é muito elíptica, uma vez que está situada entre 10 mil a 390 mil quilómetros da terra, ou seja a distância entre a terra e lua.

O satélite vai estudar as ondas rádio, os fenómenos estrelares e os buracos negros.

Os cientistas aguardam com grande expectativa as informações que ele irá recolher.

Em Moscovo, no Instituto russo da Academia das Ciências fala-se de um tempo mínimo de vida de cinco anos. Sergei Likahchev defende: “Penso que a astrofísica moderna está à beira de uma revolução. Creio de dentro de 10 ou 15 anos o universo vai mudar”.

O Radio Telescópio Spektr-R vai permanecer em órbita durante cinco anos, tempo suficiente para que os cientistas possam regalar-se com imagens do universo profundo de uma resolução muito precisa.

Outra esperança para a ciência é a obtenção de dados sobre a descoberta de outras galáxias.