Última hora
This content is not available in your region

Ação judicial contra proibição da burca na Bélgica

Ação judicial contra proibição da burca na Bélgica
Tamanho do texto Aa Aa

A Bélgica abriu as portas à proibição da burca e do niqab. Mas Selema (nome fictício) recusa destapar o rosto ainda que esteja disposta a dar a voz pelas cerca de 270 mulheres abrangidas pela nova lei.

A medida entrou em vigor no sábado e proíbe o uso de qualquer véu que cubra parcial ou totalmente o rosto.

Selema explica: “Como não me obrigaram a usá-lo, não percebo por que é que me vão obrigar a tirá-lo. Deixarei de ser uma mulher livre, ficarei prisioneira por causa desta lei. Não nos podem penalizar porque fizemos uma escolha de vestuário. Sou uma mãe de família feliz e tenho responsabilidades fora de casa. É importante que as coisas mudem e que a lei seja anulada.”

Com o intuito de travar a lei, duas mulheres muçulmanas decidiram recorrer ao Tribunal Constitucional. Inès Wouters, a advogada que as representa, encaminhou a petição, esta terça-feira, e defende que há liberdades fundamentais em risco.

“Esperamos que a lei seja anulada porque há várias liberdades fundamentais em perigo, como a liberdade de religião e a proteção da vida privada. Legislar sobre o vestuário afeta toda a gente e não apenas as mulheres muçulmanas, ainda que sejam elas o alvo. Estão em causa a liberdade de expressão, de se movimentar nos espaços públicos, a liberdade de religião, a liberdade pessoal, todas as liberdades fundamentais que estão na base da Europa”, explica a advogada.

Violar a lei pode traduzir-se por uma multa de 137 euros e uma pena que pode chegar aos sete dias de prisão. O projeto partiu da iniciativa do partido liberal francófono – Movimento Reformador- e foi adotado em abril, com apenas um voto contra e duas abstenções.

“No que toca à segurança, é inadmissível ver um certo número de pessoas saírem à rua com o rosto coberto, não sendo possível identificá-las. Este é o primeiro ponto. O segundo tem a ver com a necessária igualdade entre homem e mulher”, defende Denis Ducarme, do Movimento Reformador.

A batalha ainda agora começou para as mulheres que querem usar o véu islâmico integral na Bélgica.

“Temendo ser multadas ou presas, as que não podem mudar a forma de vestir preferem ficar em casa, a aguardar a decisão do Tribunal Constitucional. A primeira audiência está marcada para setembro”, constata a correspondente da euronews, Galina Polonskaia.