Última hora
This content is not available in your region

Afeganistão divide opiniões

Afeganistão divide opiniões
Tamanho do texto Aa Aa

Foram os ataques terrorista de 11 de Setembro que levaram as forças internacionais para o Afeganistão.

O objectivo era a luta contra o extremismo apoiado pelos talibans, instaurar um regime democratico e melhorar a vida das populações.

Robina Jalali, agora com 25 anos, foi a primeira mulher afegã a competir nos Jogos Olímpicos.

Hoje, faz política, coisa impensável, na vigência dos talibans:

“Antes, nós estávamos distantes dos interesses do Povo tanto a oposição, como os talibans. Mas, hoje, felizmente, mandamos nos nossos destinos e os cidadãos decidem e lutam de pé contra todos os obstáculos”

Mas há outros pontos de vista. Saheb Dad perdeu um filho, na guerra. Visita todos os dias o cemitério, e não acredita que tenha havido progressos. Diz que tudo está pior:

“Mudanças? A situação no Afeganistão piora de dia para dia. No princípio, nós esperávamos que os nossos sacrifícios iriam contribuir para trazer a paz ao Afeganistão mas nada disso aconteceu”.

Jeremy Lezama, um marine americano reconhece a existência de críticas. Mas diz que também há muita gente contente.

Gente que compreende os esforço dos militares da força internacional:

“Isto é uma parte da História. É isso que nós pensamos, mas há quem pense que isto não é nada. Mas uma coisa é certa: nós melhorámos a vida de muitos indivíduos que eu conheço. Nós estamos aqui a fazer um trabalho”

Dez anos que não agradam a todos. O período é de transição e, dentro de algum tempo, os afegãos ficarão de novo entregues a si próprios.

Talvez seja esse o momento apropriado, para fazer o balanço.