Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

China e Rússia vetam resolução da ONU contra regime sírio

China e Rússia vetam resolução da ONU contra regime sírio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

China e Rússia vetaram no Conselho de Segurança das Nações Unidas a resolução que condenava a violência na Síria e abria caminho a sanções contra o regime de Bashar al-Assad.

O documento apresentado por Portugal, Alemanha, França e Reino Unido foi o primeiro a ser votado sobre o conflito na Síria no Conselho de Segurança da ONU.

O embaixador russo na organização justificou o veto pelo facto de Moscovo considerar “inaceitável a ameaça de um ultimato com sanções contra as autoridades sírias. Esta abordagem é contra o princípio de uma solução pacífica para a crise com base num diálogo nacional sírio.”

Rússia e China defenderam nos últimos dias que a resolução poderia abrir caminho a uma nova situação como a que se vive na Líbia.

A embaixadora norte-americana Susan Rice defendeu que “não se trata de intervenção militar, nem da Líbia. É uma artimanha barata daqueles que preferem continuar a vender armas ao regime sírio em vez de apoiarem o povo sírio.”

Longe da sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, e independentemente do resultado do voto no Conselho de Segurança, milhares de sírios voltaram a protestar um pouco por todo o país contra o regime de Bashar al-Assad.

Em Edleb, milhares de pessoas desfilaram pelas ruas com bandeirolas de apoio ao recém-formado Conselho de Oposição Sírio.