Última hora

Última hora

Diplomacia da UE recusa intervenção militar na Síria

Em leitura:

Diplomacia da UE recusa intervenção militar na Síria

Diplomacia da UE recusa intervenção militar na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) decidiram aumentar a pressão sobre o regime sírio, aplicando sanções a mais 18 personalidades próximas do presidente Bashir Al-Assad. Mas Bruxelas afasta o envio de tropas estrangeiras para conter a crise.

“Penso que uma intervenção militar parecida de alguma forma com a que que foi realizada na Líbia não está na agenda, não a desejamos. Por outro lado, podemos refletir como podemos ajudar a proteger a população civil, o que poderia passar pela intervenção de observadores, por exemplo, das Nações Unidas”, disse o chefe da diplomacia francesa, Alain Juppé.

Outra medida adotada foi o congelamento dos empréstimos do Banco Europeu de Investimento. A UE, bem como os EUA, defende uma resolução forte da Organização das Nações Unidas, mas Rússia e China mantêm-se ao lado do regime de Assad, entretanto suspenso da Liga Árabe. Mesmo assim, um membro da oposição disse à Euronews que a diplomacia de Bruxelas tem de ser mais ativa.

“Gostaríamas que a UE tomasse decisões concretas, como fez o governo turco que deu hoje um passo importante, na medida em que o Conselho Nacional Sírio foi recebido pelo chefe da diplomacia Ahmet Davutoglu. Eperamos que a União avance nesse sentido, de reconhecimento da oposição reunida no Conselho Nacional, estabelecendo um diálogo e negociações que permitam encontrar uma solução definitiva para a crise síria”, afirmou Bassem Hatahet.

As sanções europeias aplicadas agora a 74 pessoas passam por congelar bens e não passar vistos a suspeitos de cooperarem na repressão do movimento pro-democracia, que já causou pelo menos 3500 mortos, desde Março, segundo a ONU.