Última hora

Palestinianos de Gaza entre divisões e bloqueios

Palestinianos de Gaza entre divisões e bloqueios
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As flores são dos poucos produtos que os palestinianos de Gaza podem comercializar.

60 das empresas industriais poderiam exportar se lhes fosse dada a oportunidade. Mas desde a tomada do poder do Hamas e da resposta israelita às ofensivas terroristas contra o Estado o tecido industrial de Gaza.

Os produtores continuam a cultivar tomates-cereja, pimentos e outros legumes, mesmo se não os conseguem vender à Europa, Israel ou Cisjordânia.

A Câmara de Comércio Palestiniana, PALTRADE, confirma a situação.

Os cidadãos contornam as dificuldades como a imaginação permite em tempos de austeridade. O que não passa nos postos de controlo passa pelos túneis, mediante o pagamento de taxas ao Hamas.

Israel alega que não levanta o bloqueio enquanto o Hamas continuar o tráfico de armas.

Na imagem estão assinalados a negro os dois postos fechados: um em Sufa, desde setembro de 2008, e o outro Karni, desde junho de 2007.

A vermelho estão assinalados os dois postos abertos para aprovisionamento médico, em Rafah, e para circunstâncias ocasionais, em Erez.

As passagens controladas para transporte de combustível e outros, devidamente autorizados, estão assinaladas a verde em Nahal Oz e Kerem Shalon.

Karni e outras zonas industriais foram bombardeadas durante a ofensiva israelita Chumbo Endurecido, há três anos.

As feridas continuam abertas: entre 27 de de dezembro e 18 de janeiro de 2009, morerram 1400 palestinianos e 13 israelitas.

Em setembro de 2009, o Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas publicou um relatório da missão dirigida pelo juiz sul-africano Richard J. Goldstone, em que os soldados israelitas e os militantes palestinianos são acusados de “atos identificados com os crimes de guerra”.

O relatório distanciou, um pouco mais, o Hamas e o Fatah, à frente da Autoridade Palestiniana. O Fatah decidiu não ir a Tribunal Penal Internacional, apesar de contar com a recomendação do Conselho de Direitos Humanos da ONU, de março de 2011.

Uns dias depois, Goldstone retratou-se no jornal “Washington Post”, e afirmou duvidar que o exército israelita tivesse disparado indiscriminadamente…apesar de ter assinado o relatório contra a opinião dos outros três membros da missão.

O primeiro-ministro Benhjamin Netanyahu solicitou imediatamente a anulação do documento.

“Israel não apontou contra os civis intencionalmente; os nossos investigadores trabalham segundo os mais altos padrões internacionais o que, como é óbvio, não é do interesse do Hamas. “

A recente reunião dos delegados do Fatah, do Hamas e outros 13 grupos palestinianos com os mediadores do Egipto realçou a intenção de reforçar a OLP.

Estão todos conscientes de que só podem obter apoio para as reivindicações nas instituições internacionais se estiverem unidos e representados por uma entidade forte.

A questão dos prisioneiros é um dos entraves a essa união entre palestinaianos.

O ministro palestiniano de Assuntos Penitenciários, Issa Qaraqe, com uma delegação de ex-presos, pediram ao Parlamento Europeu em dezembro para pressionar Israel a respeitar os direitos dos detidos.

“Se tudo estiver em ordem e Israel não tiver nada a temer sobre a situação dos presos palestinianos não há razão para não nos permitir verificar por nós mesmos”.

Com estas divisões, exigências, bloqueios, os cidadãos enfrentam cada vez mais dificuldades na sobrevivência diária.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.