Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Justiça francesa chega à mesma conclusão que a ruandesa..em 2006

Justiça francesa chega à mesma conclusão que a ruandesa..em 2006
Tamanho do texto Aa Aa

Desde o genocídio do Ruanda que as várias comissões de inquérito denunciavam os tutsis como autores do atentado com mísseis que abateu o avião do presidente.

Mas a mais recente perícia judicial conclui que foram extremistas da guarda do presidente hutu que dispararam os dois mísseis do campo militar de Kanombe, no dia 6 de abril de 1994. Fica assim ilibado o atual presidente Kagamé, tutsie, e os seus familiares e amigos.

O papel dos militares franceses, no momento do atentado, e durante o massacre de 800 mil tutsis, também tem sido objeto de litígio entre Paris e Kikali

16 anos depois o relatório balístico solicitado pelo juiz Marc Trévidic, prova que os mísseis contra o avião de Juvenal Habyarimana foram disparados do campo da própria guarda presidencial e não da posição dos rebeldes tutsis.

O advogado do presidente Kagame, que era líder da Frante Nacional Patriótica, na altura, confirmou as conclusões:

“O relatório pericial confirma o lançamento de mísseis do campo de Kanombe”“.

O advogado da viúva do presidente Habyarimana, não se precipita em apreciações:

“Sabem como é a linguagem dos peritos. São 300 páginas de conclusões que vamos examinar detalhadamente”.

Em 2010 o relatório do governo ruandês ljá tinha designado o círuclo próximo do presidente como mandante do assassinato para abortar um plano de partilha de poder com os rebeldes de Kagame.

Responsável pelo inquérito no Ruanda, Jean Mutzinzi:

“O avião foi abatido por um míssil do campo de Kanombe, por isso só pode ter sido disparado por militares.”

A investigação inicial francesa, apresentada em 2006, tinha conduzido ao lançamento de mandados de captura de amigos e familiares do presidente Kagame.

As relações entre Paris e Kigali estiveram tensas até à visita de Kagame a Sarkozy, em Setembro de 2011.