Última hora
This content is not available in your region

Os desafios do novo parlamento egípcio

Os desafios do novo parlamento egípcio
Tamanho do texto Aa Aa

Foi em silêncio que arrancou a primeira sessão do novo parlamento egípcio.

A assembleia do povo, com cerca de 500 deputados, é dominada pelos partidos islamitas que, esta segunda-feira, lembraram os mártires da revolução.

O Partido da Liberdade e Justiça, braço político da Irmandade Muçulmana, foi o grande vencedor das primeiras eleições pós-Mubarack.

Há cerca de um ano, os egipcios pediam a queda do um regime, hoje pedem a libertação dos cerca de 10 mil prisioneiros políticos. Pessoas que se manifestaram contra o marechal Hussein Tantawi, a autoridade máxima no país.

Um deputado explica que o Egito tem pela frente três grandes desafios: a coordenação entre a maioria islamita, a relação com o conselho militar durante o período de transição e a organização das eleições presidenciais.

Antes das presidenciais, está a votação para a Câmara Alta que arranca este domingo e se estende até março.

Euronews: Um Parlamento eleito democraticamente é o primeiro fruto da revolução egipcia, mas aqui são, ainda, muitas as dificuldades.