Última hora
This content is not available in your region

Senado francês aprova lei sobre genocídio arménio

Senado francês aprova lei sobre genocídio arménio
Tamanho do texto Aa Aa

Foi aprovado, no Senado francês, o projeto de lei que prevê a penalização do negacionismo dos genocídios.

O Senado aprovou a lei com 127 votos a favor e 86 contra. É uma das leis mais polémicas dos últimos tempos, já que inclui o genocídio dos Arménios pelo Império Otomano em 1915, algo que a Turquia nunca reconheceu.

Diz a deputada Valérie Boyer, da UMP, autora do projeto: “É um momento muito importante para os direitos humanos e para a dignidade humana. Estou muito contente que a lei tenha sido aprovada e espero que possa seguir o seu curso naturalmente”.

Mas as opiniões não são unânimes. O senador socialista Jean-Pierre Sueur, presidente da Comissão das Leis, é contra: “Na Comissão das Leis, estamos persuadidos que esta lei é inconstitucional. Mais tarde ou mais cedo vamos dar-nos conta disso. Será que este debate sarou as feridas? Será que permite conhecer melhor a história? Que fez alguma coisa pelo progresso da diplomacia? Não tenho a certeza e penso que este debate ainda não está encerrado”.

A reação da Turquia foi imediata, com a suspensão da cooperação militar e das relações diplomáticas com Paris.

O primeiro-ministro Recep Tayyp Erdogan diz que o presidente Sarkozy cometeu um erro ao querer assumir um papel que pertence só aos historiadores.

Junto da comunidade arménia em França, a notícia foi recebida com grande alegria. O país tem 500 mil cidadãos de origem arménia, na maioria fruto do êxodo que se seguiu ao massacre de 1915.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.