Última hora
This content is not available in your region

Comissão Europeia submete ACTA ao Tribunal Europeu de Justiça

Comissão Europeia submete ACTA ao Tribunal Europeu de Justiça
Tamanho do texto Aa Aa

O grupo de ciberativistas Anonymous e outros grupos de defensores de software livre e associações de consumidores ganharam mais uma batalha contra o ACTA, nome por que é conhecido o controverso Acordo Comercial Anticontrafacção, assinado no passado dia 26 de Janeiro, no Japão.

O Tribunal Europeu de Justiça vai analisar o tratado a pedido da Comissão Europeia, anunciou o responsável pela pasta do Comércio, Karel De Gucht.

“Pessoalmente acredito que não há nada de errado com o ACTA. É um bom tratado, que vai proteger a nossa propriedade intelectual. Não temos petróleo, gás ou minerais nos nossos solos, pelo que não podemos tirar do solo o que não existe. O que temos é a propriedade intelectual e devíamos estar ansiosos por protegê-la”, disse
Karel De Gucht.

O comissário alega que se perdem anualmente 200 mil milhões de euros devido à pirataria e contrafação de todo o tipo de produtos, mas mesmo dentro da Comissão há posições divergentes.

A vice-presidente Viviane Reding está ao lado dos que acusam o ACTA de violar direitos fundamentais dos cidadãos, como o acesso à informação.

Já assinado por 22 dos 27 Estados-membros, incluindo Portugal, o ACTA engloba ainda outros 10 países fora da União Europeia.