Última hora
This content is not available in your region

Hungria considera "injusta" suspensão de fundos de coesão da UE

Hungria considera "injusta" suspensão de fundos de coesão da UE
Tamanho do texto Aa Aa

“Infundada e injusta” foi como o Governo da Hungria clasificou a decisão da Comissão Europeia de suspender, a partir de 2013, cerca de 500 milhões de euros em fundos de coesão. Um valor que representa quase 30% do orçamento do país e que será cortado se o executivo conservador de Viktor Orban não cumprir o limite de 3% para o défice. Uma regra que tem sido violada pela Hungria desde que se juntou à União Europeia, em 2004, fez notar Bruxelas.

“A decisão de hoje deve ser considerada como um incentivo para corrigir um desvio e não como um castigo. É uma medida justa e proporcional num quadro de prevenção”, disse Olli Rehn, comissário para os Assuntos Económicos e Monetários.

Rehn confirmou ter recebido cartas de Budapeste sobre as medidas de austeridade decididas esta semana, mas considerou-as insuficientes.

Este é mais uma acha para a fogueira na tensa relação entre Bruxelas e a Hungria, devido às reservas da União Europeia sobre o carácter democrático da nova lei constitucional do país.