Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

França questiona a vigilância de Merah

França questiona a vigilância de Merah
Tamanho do texto Aa Aa

Uma das maiores questões que o caso Mohamed Merah suscita, sobretudo nos meios políticos, é a forma como foi vigiado pelos serviços de polícia, onde estava identificado como tendo ligações a grupos terroristas.

Para o responsável do Observatório Internacional do Terrorismo, a investigação será feita à posteriori:

“É preciso saber que os investigadores detiveram o seu irmão mais velho e vão seguir a pista. Vão entrar em contacto com as autoridades paquistanesas sobre a última viagem que fez ao país para verem o que encontrou nessa época. Ou seja, uma segunda investigação vai agora começar depois da sua morte”.

Uma investigação que, para muitos, deveria ter sido feita antes. Para além da oposição, o próprio ministro dos Negócios Estrangeiros, Alain Jupé, admitiu que pode ter existido falhas ao nível da vigilância e que é preciso investigá-las.

Mohamed Merah era conhecido da polícia por atos de delinquência e violência e dos serviços secretos por ter feito viagens ao Paquistão e Afeganistão, onde participou em treinos de preparação dos combatentes terroristas da al qaida.