Última hora

Companhias aéreas de baixo custo resistem num contexto difícil

Companhias aéreas de baixo custo resistem num contexto difícil
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No dia de abertura de novas linhas a partir do aeroporto londrino de Southend, a EasyJet anuncia que os prejuízos vão ser menores do que previsto no primeiro semestre. A segunda maior companhia aérea de baixo custo da Europa prevê prejuízos de 110 a 120 milhões de libras. Antes estimava os prejuízos entre 140 e 160 milhões de libras.

Num contexto difícil e de concorrência rude, as companhias aéreas de baixo custo continuam a ganhar terreno e, em 2011, controlavam quase 36% do mercado aéreo da Europa.

Os elevados preços do petróleo e a queda da procura tornou a vida difícil para as companhias. As nacionais, como a Lufthansa, anunciam redução das despesas e o contexto fez desaparecer outras como a Spanair e Malev. Um vazio aproveitado pelas de baixo custo que conseguem conquistar cada vez uma clientela do mundo dos negócios.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.