Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Choque elétrico na indústria do azeite

Choque elétrico na indústria do azeite
Tamanho do texto Aa Aa

“Estamos a melhorar o processo de extração de azeite, através de uma tecnologia baseada em impulsos de campo elétrico”, diz Arturo Portugal, engenheiro do CRIC, Centro de Investigação e Engenharia, sediado em Barcelona.

No município espanhol de Malagón, uma pequena empresa está a testar uma nova forma elétrica de extração de azeite.

“Somos uma empresa familiar criada há 30 anos e temos muita vontade de inovar. Produzimos cerca de 700 toneladas de azeite por ano”, realça Aniceto Gómez, proprietário da Aceites Malagón.

A ideia é aplicar um choque elétrico às azeitonas antes de as espremer. Os breves impulsos de campo elétrico forte aumentam os poros nas membranas celulares, simplificando a extração de azeite.

“Os impulsos elétricos, gerados por esta máquina, passam para esta câmara de descarga. A pasta que vem do martelo passa por estes tubos e é tratada na câmara”, explica Arturo Portugal.

Este método permite produzir mais azeite a partir da mesma quantidade de matéria-prima.

A perfuração, com um impulso elétrico, abre os poros da fruta, tornando mais fácil obter o melhor líquido de azeitonas verdes.

“Para obter um azeite de qualidade, tem que se conseguir azeitonas o mais verde possível e trabalhar à temperatura mais baixa possível. Este projeto pode facilitar a tarefa, ao trabalhar com azeitonas completamente verdes e sem qualquer calor, à temperatura ambiente”, afirma Aniceto Gómez.

A fábrica-piloto está a tratar seis litros de pasta de azeitona por segundo. Uma vez comprovada a tecnologia, desenvolvida no âmbito de um projeto da União Europeia, será alargada a níveis de produção elevados.

“Os mercados emergentes fora da Europa estão a produzir azeite de uma forma muito mais competitiva do que a Europa. Este projeto o que pretende é melhorar a competitividade dos pequenos e médios lagares”, sublinha Portugal.