Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Imigração: tema quente da extrema-direita grega

Imigração: tema quente da extrema-direita grega
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Este é o primeiro centro de detenção construído propositadamente para acolher imigrantes clandestinos, na Grécia, e foi inaugurado este fim de semana, em Atenas. Os primeiros 56 ilegais chegaram no domingo. O centro pode acolher um milhar.

Em plena crise económica e a uma semana da segunda volta das eleições, a imigração tornou-se um dos temas quentes da campanha eleitoral.

O, até há pouco, obscuro partido de extrema-direita, Aurora Dourada, voga na onda e não esconde o discurso xenófobo. “As fábricas gregas têm de renascer; as suas chaminés devem voltar a deitar fumo. E, obviamente, todos os imigrantes ilegais devem partir. Se todos os imigrantes ilegais – que são mais de três milhões – se fossem embora, libertariam três milhões de postos de trabalho para os gregos”, defende Giorgios Germenis, ideólogo e candidato da “Aurora Dourada”

Um discurso que seduz cada vez mais eleitores descontentes como os partidos tradicionais, tanto de esquerda como de direita. “Estamos desesperados”, diz um ateniense, que continua: “Não confiamos no Pasok nem na Nova Democracia. Por isso, olhamos para a Aurora Dourada e para outros partidos mais pequenos.”

Mas fazer dos imigrantes bode expiatório da crise que há cinco anos atinge a Grécia é uma receita perigosa, alerta Ketty Kehagioglou, porta-voz da ONU para em Atenas: “Este tipo de retórica que estigmatiza de forma generalizada as pessoas vulneráveis só beneficia, a curto prazo, quem faz alastrar os medos. Mas a longo prazo é muito perigoso para a sociedade em geral.”

A médio prazo, isso significa que a Aurora Dourada, com 5% das intenções de voto, está em boa posição para garantir pelo menos um assento no Parlamento.

Mas num país que suportou a fome durante a ocupação nazi e que sofreu detenções e torturas durante a ditadura dos coronéis, esta nova vaga alarmou muitos gregos que recentemente saíram à rua para dizerem “não” ao racismo e neonazismo.