Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Egito: Ahmad Chafiq contra-ataca e diz que não haverá regresso ao passado

Egito: Ahmad Chafiq contra-ataca e diz que não haverá regresso ao passado
Tamanho do texto Aa Aa

Ahmad Chafiq que vai disputar a segunda volta das presidenciais com Mohamed Morsi da Irmandade Muçulmana nos próximos dias 16 e 17 de junho, prometeu que não haverá regresso ao passado caso ganhe.

Esta é a resposta é resposta de Chafiq aos Irmãos Muçulmanos que na sexta-feira afirmaram que só a vitória de Mohamed Morsi pode salvar a revolução.

“Estendo a minha mão a todos os egípcios. Aceito todos os diálogos com os políticos de todas as forças. Insisto em ficar ao lado do povo e convido todos a fazer o mesmo”, disse Ahmad Chafiq.

A Irmandade Muçulmana apelou a todos os egípcios para que na segunda volta apoiem o seu candidato contra Ahmad Chafiq, uma das figuras do regime de Hosni Mubarak de quem foi Primeiro-Ministro.

Entretanto o candidato Hamdin Sabahi, que não passou à segunda volta, vai apresentar hoje um recurso para suspender a segunda volta das eleições, alegando infrações registadas na primeira votação.

O candidato esquerdista Hamdin Sabahi, que não passou à segunda volta nas eleições presidenciais no Egito, segundo dados provisórios, anunciou hoje que vai impugnar os resultados para suspender o processo eleitoral.
O Egito realizou na quarta e na quinta-feira eleições presidenciais para eleger o sucessor de Hosni Mubarak, derrubado por uma revolta popular em fevereiro de 2011.
Anad Hamdi, coordenador da campanha daquele candidato, em declarações à agência EFE, indicou que a equipa vai apresentar no domingo um recurso na Comissão Eleitoral Presidencial para suspender a segunda volta das eleições, prevista para 16 e 17 de junho, alegando infrações registadas na primeira votação.
Avançou ainda que Sabahi vai pedir o cancelamento da segunda volta eleitoral para esperar pelo veredicto do Tribunal Constitucional sobre a aplicação da Lei de Isolamento Político, que impede aos antigos responsáveis de altos cargos do regime de Hosni Mubarak de se apresentarem às presidenciais.
Por todas estas razões, a campanha de Sabahi vai instar as autoridades eleitorais a não divulgar os resultados oficiais do escrutínio, prevista para a próxima terça-feira.