Última hora

Última hora

Síria nega responsabilidade no massacre de Hula

Em leitura:

Síria nega responsabilidade no massacre de Hula

Síria nega responsabilidade no massacre de Hula
Tamanho do texto Aa Aa

Face às reações de repúdio da comunidade internacional, Damasco nega estar implicada no massacre de Hula. Entre sexta-feira e a madrugada de sábado 116 civis morreram – entre os quais, 32 crianças.
 
Este é o balanço oficial feito pelo chefe da missão da ONU no terreno, que dá conta, igualmente, de 300 feridos.

Os observadores confirmaram igualmente o recurso a artilharia que apenas as forças de Bashar Al-Assad utiliza.

Mas o governo sírio acusa os “rebeldes terroristas” e promete uma comissão de inquérito. “Negamos firmemente a responsabilidade das forças do governo neste massacre. Condenamos fortemente este massacre terrorista que visou, de forma claramente criminosa, o povo sírio: mulheres, crianças e homens idosos”, afirmou Jihad Makdesi, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros.

Depois deste que é o pior massacre desde a suposta entrada em vigor do cessar-fogo, de Kofi Annan, a população sente-se abandonada. E os rebeldes do Exército Livre Sírio alertaram: “Se o Conselho de Segurança da ONU não tomar decisões urgentes para proteger os civis, o plano Annan irá para o inferno!”