Última hora
This content is not available in your region

Novo presidente do Egito não terá vida fácil

Novo presidente do Egito não terá vida fácil
Tamanho do texto Aa Aa

Esta manhã, a Praça Tahrir regressa à vida normal, depois dos festejos da noite para celebrar a vitória de Mohammed Morsi. Mas o novo presidente do Egito tem agora pela frente vários desafios, a começar pela redução dos poderes presidenciais, levada a cabo pelos militares.

Oriundo das fileiras da Irmandade Muçulmana, Morsi, no seu primeiro discurso, fez questão de garantir que será “o presidente de todos os egípcios, no país e no estrangeiro; muçulmanos e cristãos.” E acrescentou: “O Egito precisa, hoje, de um povo unido.” Morsi referiu ainda que o país respeitará todos os compromissos internacionais já assumidos – o que engloba os acordos de Paz com Israel. E rematou: “A revolução vai continuar até que se cumpram todos os seus objetivos.”

Uma revolução que os apoiantes de Ahmed Shafiq, o candidato derrotado, consideram traída. Os simpatizantes do ex-primeiro-ministro de Hosni Mubarak exprimiam a sua dor e revolta, enquanto os apoiantes de Mohammed Morsi – que, recorde-se, conquistou apenas 48,27 por cento dos votos – celebravam a vitória. “Estou muito contente. É um grande dia para o Egito. Não tenho palavras para exprimir a minha alegria”, exultava uma mulher.

No Cairo, o correspondente da euronews, Riad Mouasses, lembra: “A vitória de Mohamed Morsi nas eleições presidenciais não representa necessariamente o fim da crise política no Egito, mas abre um novo capítulo na confrontação com a junta militar, que conserva ainda o poder legislativo e uma grande parte do poder executivo.”