A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Nova liderança da Liga do Norte defende Europa das Regiões

Nova liderança da Liga do Norte defende Europa das Regiões
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A eleição de Roberto Maroni para secretário federal da Liga do Norte já começa a agitar o panorama político de Itália. É o ex-ministro do Interior de Berlusconi que decide as estratégias, nomeadamente para acabar com a deserção das empresas do Norte de Itália.

A pressão fiscal de 68,8% em 2011 sobre as empresas italianas é a mais alta da Europa. A burocracia e os enormes atrasos nos pagamentos criaram um clima que penaliza os empresários italianos. Para muitos, o suicídio é uma forma de rebelião contra um sistema insensível, que não mede a gravidade da situação.

O presidente da Liga Norte na região do Piamonte, Roberto Cota aponta a causa da sangria empresarial:

“- A nossa carga fiscal é absolutamente intolerável e, por este motivo, as empresas estão a deslocalizar. Não estão a ir embora por serem estúpidos ou incapazes de fazer o seu trabalho. Assim, a prioridade principal é reduzir a carga fiscal sobre as empresas para as tornar competitivas no nosso país .”

A Liga é a maior força da oposição em Itália, mas quando integrou o governo de Berlusconi não conseguiu cumprir os objetivos de investimento e baixa de impostos que defende. Afirma agora que a única via possível é a construção da “Europa das Regiões”. Roberto Cota:

“Actualmente, os Estados centrais não são capazes de dar respostas eficazes. Se a solução dos problemas chega das regiões, os Estados terão de aceitar. E aproveito para esclarecer: porque é que um empresário piamontês é diferente de um bávaro? Porque na Baviera, que faz parte de Europa, há um sistema tributário que zela pelos interesses das empresas! Temos o mesmo direito.”

Roberto Maroni sucedeu a Umberto Bossi na sequência de uma série de escândalos que afeta a Liga desde o início do ano, a maioria ligados à questão de “reembolsos eleitorais” dos fundos concedidos pelo Estado aos partidos políticos em função dos respetivos resultados eleitorais.