Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Plantas que curam

Plantas que curam
Tamanho do texto Aa Aa

Jean-Paul Fevre, Diretor da Plant Advanced Technologies:

“Produzimos moléculas vegetais que seriam muito difíceis de criar de outra forma.

“Estas moléculas são muito úteis para a indústria cosmética e farmacêutica.”

Moléculas valiosas devido às propriedades invulgares extraídas de plantas raras. É o mundo da tecnologia avançada das plantas. Esta empresa francesa é pioneira na denominada “tecnologia de extração”. Plantas que crescem sem terra cujas raízes fornecem moléculas valiosas.

Fréderic Bourgaud, Diretor de Pesquisa da Plant Advanced Technologies:

“As plantas produzem naturalmente substâncias ativas nas raízes que lhes permitam defender-se contra potenciais agressores no meio ambiente.
Colocamos as raízes num solvente que as torna mais permeáveis e assim, conseguimos com que libertem as moléculas.”

Os cientistas identificaram uma variedade de substâncias pouco habituais que podem ser utilizadas na medicina.

Fréderic Bourgaud: “esta é uma planta mexicana que produz uma molécula útil no tratamento da osteoporose em mulheres. Ali temos duas plantas que produzem um anti-inflamatório natural. Esta é carnívora que nos pode ajudar a produzir as moléculas essenciais no tratamento de alguns tipos de cancro e no tratamento de uma doença genética rara.”

Ao abrir a despensa encontram-se centenas de litros de antioxidantes naturais prontos para entrega. Alimentando as plantas com uma dieta especifica de nutrientes estas desenvolvem raízes maiores e produzem moléculas mais úteis.

Fréderic Bourgaud:“numa área relativamente pequena podemos produzir vários quilos de substâncias, dezenas de quilos, de acordo com as necessidades do mercado.”

A estufa de teste está cheia de plantas raras que estão a ser cultivadas e testadas para novos medicamentos. Há muito espaço para o crescimento.

Jean-Paul Fevre: “uma grande parte de moléculas que se podem produzir em plantas raras e protegidas ainda estão por descobrir, ou aquelas cujo crescimento é muito lento. Por isso, deve-se criar um procedimento que não destrua o recurso vegetal.”

Links:
SMARTCELL http://www.smart-cell.org/
PAT http://www.patsas.com/