Última hora
This content is not available in your region

Berlim pede calma face ao discurso de Monti

Berlim pede calma face ao discurso de Monti
Tamanho do texto Aa Aa

Está reaberta a guerra de declarações entre Roma e Berlim. Numa entrevista a um jornal alemão, o primeiro-ministro italiano afirmou que “os desacordos na zona euro ameaçam o futuro da União Europeia” e, implicitamente, criticou o domínio das instituições alemãs sobre as negociações europeias. Mario Monti disse também que os países do sul da Europa precisam de apoio moral e não de apoio financeiro.

As palavras foram mal recebidas em Berlim. O governo pede contenção no discurso. Já o analista Robert Halver reagiu assim: “O senhor Monti tem de ser cuidadoso. Ninguém pode desligar a democracia e calar a opinião dos parlamentos para transformar a zona euro num monstro burocrático. Isso não é democracia. O problema da zona euro não é a interferência dos parlamentos mas os países que, como Itália, não fizeram os trabalhos de casa. Se somos desleixados é melhor estar calado”.

Tal como Itália, também Espanha continua a resistir a um pedido de ajuda e não o fará antes de conhecer as condições do plano do BCE. O que não deverá acontecer antes de meados de setembro, após a reunião do BCE e a decisão do Tribunal Constitucional alemão, que atrasou a entrada em vigor do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

Para já Madrid e Roma contam com as declarações de Mario Draghi para baixar um pouco a pressão sobre as taxas de juro das obrigações.