A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Irão admite presença do Exército dos Guardiães na Síria

Irão admite presença do Exército dos Guardiães na Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez, o Irão admite ter enviado para a Síria membros do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica e não descarta a hipótese de uma ação militar integrada, em caso de ataque exterior a Damasco.

Desde o início do conflito que Teerão é acusado de fornecer ajuda militar ao regime de Bashar Al-Assad, principal aliado local do regime dos mulás.

“Tendo em conta a situação especial que se vive na Síria, e no Líbano, enviámos um certo número de elementos da Força Quds para esses países. Mas isto não significa que tenhamos uma presença militar no terreno”, explica o comandante Ali Jafari, que diz tratar-se apenas de “conselheiros”.

Leon Panetta, o secretário norte-americano da Defesa, garante que o Irão tenta formar uma milícia pró-regime, na Síria.

A Força Quds é uma unidade especial do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica do Irão oficialmente responsável pelas operações externas mas que, segundo Washington, tem como missão “treinar, equipar e financiar movimentos revolucionários islâmicos estrangeiros.”

No terreno, os confrontos continuam. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos do Homem, sediado em Londres, Damasco e arredores eram, este domingo, alvo de novos raides aéreos e da artilharia pesado do regime de Bashar Al-Assad.

Mais de 27 mil pessoas já perderam a vida, sobretudo civis, em 18 meses de um conflito sem solução à vista. E, de acordo com os rebeldes, Lakhdar Brahimi, o novo mediador da ONU e da Liga Árabe para a Síria, também não conseguirá pôr-lhe fim.