Última hora
This content is not available in your region

Presidente de uma Somália em destroços

Presidente de uma Somália em destroços
Tamanho do texto Aa Aa

Passavam 48 horas da eleição, quando o novo presidente do que resta do Estado da Somália, escapou à risca de um atentado.
Hassan Cheikh Mohamoud teve apenas a amostra do que o espera em todo o mandato.

A Somália vive em guerra há 21 anos e é o pais mais perigoso do mundo, além do mais corrupto. Duas classificações que deixam pouco espaço para a esperança.

A antiga colónia italiana sobrevive no caos desde 1991.

O clima de descontentamento que reinava contra o regime do ditador Siyaad Barre, lavrou o terreno para os senhores da guerra, a quem interessa apenas o tráfico e a pilhagem.

Cinco milhões de pessoas já sucumbiram à fome e à doença.

Em dezembro de 1992, sob os auspícios da ONU, os Estados Unidos iniciaram a operação “Restabelecer a Esperança”. Mas foi um fiasco. A batalha de Mogadíscio, em 1993, tornou-se a imagem públca do desaire: 19 soldados norte-americanos morreram, assim como um malaio da ONU e um milhar de somalis.
Bill Clinton foi obrigado a dar ordem de retirada.

A presença constante da ONU ajudou a melhorar a situação. Mas com a chegada dos shebab, combatentes islamistas leais à Al Qaeda, tudo se desmoronou.
A guerra sem quartel contra as tropas governamentais da Etiópia, apoiadas pela Europa, agravou-se nos últimos seis anos.

Atualmente, a Somália é um retalho: dois Estados relativamente longe um do outro, algumas zonas controladas por milícias locais, e a maior parte do terreno controlada pelos radicais islâmicos.
Restam ao governo, ajudado pela União Africana, a capital, Mogadíscio, e duas pequenas zomnas a ocidente.

Shebab, que significa juventude, é a ala mais dura da União dos tribunais islâmicos, que defende a instauração da sharia.
A organização está na lista oficial norte-americana de terroristas e acolhe, alegadamente, jihadistas estrangeiros.

A missão da União Africana da ONU, AMISON, foi criada em 2007, por seis meses, mas, desde então, tem sido reconduzida. O contigente de 12 mil homens vai manter-se no terreno.