A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Moscovo considera eleições bielorrussas "livres e transparentes"

Moscovo considera eleições bielorrussas "livres e transparentes"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições legislativas na Bielorrússia foram “livres e transparentes”. Esta é a opinião da Rússia que critica a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) que manifestou o juízo oposto.

O sufrágio de domingo permitiu aos partidários do presidente Alexandr Lukashenko, no poder há 18 anos, conquistarem 109 dos 110 assentos parlamentares. A oposição contesta este resultado.

“Temos de afirmar que mais de metade dos eleitores bielorrussos não votou. As chamadas eleições não se realizaram, portanto não podem ter consequências legais para a Bielorrússia e para os seus cidadãos. Nós não temos um parlamento nem temos deputados eleitos. Temos apenas um enorme buraco negro” – denuncia Anatoly Lebedko, da União Cívica.

“As autoridades aprenderam a fazer, e digo bem fazer, resultados eleitorais até sem a presença dos eleitores nas assembleias de voto. O boicote foi um sucesso em todas as grandes cidades do país” – acusa Vitaly Rymashevsky, do Partido Democrata-Cristão.

Os dois principais partidos da oposição retiraram-se da corrida eleitoral e apelaram ao boicote do sufrágio. De acordo com a OSCE as eleições “decorreram num clima de repressão e de intimidação”.