Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Lance Armstrong: ascensão e queda de um mito

Lance Armstrong: ascensão e queda de um mito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Lance Armstrong participou, este domingo, num evento caritativo, no Texas, como se o escândalo de dopagem em que está envolvido não lhe dissesse respeito.

Há duas semanas, a USADA, a agência norte-americana antidopagem, acusava o ciclista de ter elaborado, com a US Postal, o “programa de dopagem mais sofisticado da história do desporto”.

Resultado: suspensão permanente das competições e anulação das vitórias alcançadas a partir de 1998.

O que inclui todas as vitórias da Volta a França, a começar em 1999, quando, aos 28 anos e após uma luta contra o cancro dos testículos, o ciclista texano decidiu consagrar-se unicamente ao “Tour”.

“Celebremos a vitória da Volta a França, é fantástico, mas celebremos também a vitória contra o cancro”, dizia Armstrong em 1999.

É o nascimento de um mito. Imbatível no contrarrelógio, espetacular na montanha, o ciclista ganha sete vezes consecutivas aquela que é conhecida como a “grande boucle”. Um recorde nunca visto.

Em 2005, contudo, surgem as primeiras dúvidas mas o mito não cessa de crescer. A América vive ao ritmo das suas vitórias e todas as marcas se querem associar ao nome de Lance Armstrong.

As dúvidas são confirmadas a semana passada, num relatório de mil páginas onde, graças ao testemunho de antigos colegas do ciclista, a USADA explica em pormenor o sistema elaborado pelo ex-campeão: utilização de métodos e substâncias proibidas, EPO, transfusões sanguíneas, corticoides, produtos de encobrimento… mas também tráfico e incitação à dopagem. No epicentro do sistema: Michele Ferrari, o médico italiano da equipa que ganhava somas astronómicas com a dopagem.

Floyd Landis e Georges Hincapié são dois dos 15 antigos colegas de Armstrong que testemunharam. O ciclista guardava os produtos dopantes no frigorífico e encorajava os outros a tomá-los. E falsificava os testes, atrasando-os ou através de transfusões sanguíneas.

Com pés de barro, o mito desmorona-se pouco a pouco. Na semana passada, Lance Armstrong abandonou o cargo de presidente da sua fundação contra o cancro e o seu principal patrocinador, Nike, abandonou-o também.