Última hora

Brahimi apela ao "papel ativo" da China na resolução do conflito sírio

Brahimi apela ao "papel ativo" da China na resolução do conflito sírio
Tamanho do texto Aa Aa

A luta armada prossegue na Síria com raides aéreos que intensificam o sentimento de revolta dos insurgentes e tentam silenciar os protestos com recurso ao derrame de sangue.

Um dia depois da capital síria ter sido pela primeira vez bombardeada pela aviação de Bashar al-Assad, o mediador das Nações Unidas e da Liga Árabe para o conflito deslocou-se à China, um dos principais aliados de Assad, a par da Rússia.

Na capital chinesa, Lakhdar Brahimi foi recebido pelo chefe da diplomacia que “saudou os esforços” do mediador internacional.

Brahimi apelou a um “papel ativo” de Pequim na procura de um solução e tentou convencer os dirigentes a por fim ao bloqueio de qualquer projeto de resolução ocidental contra o regime de Damasco.

A China nega a defesa de Assad, mas a par da Rússia tem usado o poder de veto no Conselho de Segurança.

O jogo de forças diplomático prossegue, com avanços e recuos, como prosseguem também, no terreno, os confrontos.

O conflito já fez mais de 35 mil mortos, grande parte civis. Muitos destes opositores que perdem a vida são vítimas do armamento vendido por agentes de Assad, aos rebeldes que lutam contra o próprio regime.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.