Última hora

Última hora

Obama 'puxa dos galões' na Ásia para promover parceria transpacífica

Em leitura:

Obama 'puxa dos galões' na Ásia para promover parceria transpacífica

Obama 'puxa dos galões' na Ásia para promover parceria transpacífica
Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama iniciou um périplo de três dias pelo sudeste asiático para reorientar a política do país na Ásia-Pacífico.

A Tailânda é a primeira etapa da primeira viagem oficial depois da reeleição do presidente norte-americano. Este país é um antigo aliado dos Estados Unidos, como sublinhou Obama, que nasceu no Hawai e passou parte da infância na Indonésia. Ele mesmo se define como o primeiro presidente “pacífico” dos Estados Unidos. Um jogo de palavras para conseguir potenciar o papel de Wahington em relação à China, cada vez mais forte no mercado mundial.

A primeira-ministra tailandesa, Yingluck Shinawatra, anunciou a participação do seu país nas negociações do Acordo Estratégico Transpacífico de Associação Económica (TPP).

O projeto de parceria transpacífica foi lançado pelos Estados Unidos e atraiu dez outros países dos dois lados do Oceano Pacífico que pretendem concluir um vasto tratado comercial. O Japão também pretende discutir, ou mesmo aderir. Mas as discussões bilaterais com Obama vão decorrer mais tarde.

O Banco Mundial vaticina um crescimento de 8% nesta região para 2013, nomeadamente em Mnyamar, segunda escala de Obama.

Professor, Thitinan Pongsudhirak, da Universidade de Chulalongkorn em Tailândia:

“Do ponto de vista dos interesses do setor privado, os Estados Unidos foram um pouco a reboque. A seguir aos europeus, aos países da ASEAN, da China, e por aí fora. Os americanos, principalmente os empresários, querem agora recuperar o tempo perdido. Penso que aproveitaram a viagem do presidente Obama para promover interesses económicos e comerciais”.

Mnyamar tem 48 milhões de habitantes, recursos naturais com abundância e mão de obra barata, situa-se entre a China e a Índia e é o alvo perfeito para as grandes empresas americanas depois do aligeiramento das sanções dos Estados Unidos. Para Washington, esta aproximação também serve para afastar o regime birmanês da Coreia do Norte.