Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Voar em segurança

Voar em segurança
Tamanho do texto Aa Aa

“O TASS é um novo sistema, uma nova forma de recolher informação e dados de sistemas aeroportuários, reunindo-os num só local”, apresenta Andy Cowen, responsável pela Segurança, em Heathrow.

Uma nova maneira de analisar informação de segurança está a ser desenvolvida com a ajuda do aeroporto de Heathrow.

Conhecido como TASS, reúne diferentes fontes de dados e oferece aos especialistas em segurança um único interface para ver o que está a acontecer no terreno.

“O que vemos aqui é o MMI, interface homem-máquina, do sistema. A ideia é que toda a informação que está a ser analisada vai ser exibida aqui”, explica Gideon Hazzani, diretor da VERINT.

O operador do aeroporto programa o sistema para estabelecer ligações entre fontes de dados e alertar para potenciais ameaças em tempo real.

“Se houver uma ameaça, o alerta será exibido aqui em tempo real. Por exemplo, aqui temos diferentes alertas. A cor representa diferentes níveis de risco. O vermelho é um alerta de risco elevado e os outros ecrãs podem mostrar informação diferente do sistema. Por exemplo, há uma visualização em 3D de todo o terminal, interior e exterior, feita por um dos nossos parceiros tecnológicos”, diz Hazzani.

Os sensores do TASS, em Heathrow, monitorizam tudo desde carga a parques de estacionamento.

“Temos também a localização dos diferentes veículos, até a localização dos passageiros – de forma anónima – mas podemos ver o fluxo de passageiros dentro do terminal. Podemos também ver a localização dos aviões”, afirma Hazzani.

O sistema, concebido num projeto de investigação da União Europeia, é desenhado para complementar os sistemas aeroportuários de segurança, atualmente em vigor.

“Qualquer grande aeroporto pode beneficiar de um sistema como este. Pode enviar informação a um único utilizador, pode criar sinergias entre diferentes sistemas, e também, potencialmente, reduzir a mão-de-obra que é necessária para operar e monitorizar estes sistemas numa base contínua”, sublinha Andy Cowen.