Última hora
This content is not available in your region

Gregos pessimistas apesar de nova ajuda

Gregos pessimistas apesar de nova ajuda
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar do ambiente natalício em Atenas e do desbloqueio de uma nova fatia da ajuda europeia à Grécia, reina o pessimismo entre a população.

A maioria dos gregos acredita que os 49 mil e cem milhões de euros disponibilizados pela Zona Euro não significam o fim de uma crise que, para o cidadão comum, parece interminável.

Uma economista residente em Atenas afirma que “vai ajudar, mas apenas a curto prazo. O país precisa de fazer mudanças enormes, para conseguir uma recuperação real”.

Um desempregado diz que os gregos “vão receber o dinheiro, mas o mais importante é saber como vão sair da situação atual. Com o Natal à porta, é preciso ser otimista, mas os gregos sentem-se sozinhos e pessimistas, não acreditam que as coisas vão melhorar”.

O fraco poder de compra da maioria dos gregos, face ao quinto ano de recessão, também não auspicia uma quadra natalícia lucrativa para os comércios.

A ONG Klimaka disse, esta quinta-feira, que dois terços dos sem-abrigo gregos começaram a viver na rua nos últimos dois anos, uma consequência direta da crise.

A organização indicou ainda que, dos vinte mil sem-abrigo que recenseou no país, um em cada cinco tem um título universitário.