Última hora
This content is not available in your region

França procura acordo para reforma do mercado do trabalho

França procura acordo para reforma do mercado do trabalho
Tamanho do texto Aa Aa

É na base do modelo alemão da “flexibilidade e segurança” que o Eliseu espera um acordo histórico para a reforma do mercado do trabalho em França. A rigidez do regime francês é considerada um entrave ao relançamento da competitividade, o cavalo de batalha do presidente François Hollande.

Esta sexta-feira, o patronato cedeu sobre o princípio de aumento dos custos patronais para os contratos a prazo, mas só para alguns. Era era um dos pontos mais difíceis das discussões. Mas os sindicatos não se mostram convencidos.

Stephane Lardi, da Força Operária, afirma: “O que nos propõem é muita flexibilidade e mais precariedade, quando a situação económica e social é catastrófica no país. Temos a impressão de estar num outro planeta”.

Em contrapartida do aumento dos custos do trabalho a prazo, os patrões exigem mais flexibilidade. Na mesa está também a proposta de exoneração de cotizações sociais durante três meses caso contratem, para o quadro, jovens com menos de 26 anos.

Para ser validado, um eventual acordo não pode ser rejeitado por mais de dois sindicatos. CGT e Força Operária já disseram que não assinam.

A reforma do mercado do trabalho, um dos mais rígidos da Europa, é considerada vital pelo governo socialista, que se vê abraços com uma economia fragilizada e uma taxa de desemprego superior a dez por cento. Entre os jovens, o desemprego ronda os 25%.