A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Países africanos vão combater ao lado da França no Mali

Países africanos vão combater ao lado da França no Mali
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A aviação francesa bombardeou, hoje, a localidade de Diabali, no oeste do Mali controlada por islamitas radicais.

A operação militar conta com o apoio logístico da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos. Um exemplo que os países aliados admitem seguir.

No terreno estão 750 soldados gauleses. O objetivo é chegar aos 2.500.

A Bamako chegaram, entretanto, 40 veículos blindados franceses, dezenas de aviões e helicópteros.

De visita a Abu Dhabi, o chefe de Estado francês, mostrou-se confiante numa rápida resolução do problema, ou seja, na detenção dos terroristas.
Uma missão que segundo François Hollande vai ser possível com a ajuda de países africanos que se preparam para enviar soldados para o Mali.

Pelo menos sete países anunciaram o envio de soldados. O primeiro contingente da Nigéria é esperado no Mali dentro de uma semana.

Os chefes de Estado-Maior do Exército de vários países africanos reúnem-se, terça-feira, em Bamako, para acertar os últimos pormenores com vista ao envio de 3000 homens.

As forças francesas deram início à ofensiva na sexta-feira depois de os islamitas terem ocupado o norte do país.

A missão conta com a luz verde da ONU que recusa para já qualquer envolvimento bélico.