A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Rebeldes tentam impedir fuga de malianos para o sul

Rebeldes tentam impedir fuga de malianos para o sul
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os grupos islamitas rebeldes do norte do Mali fazem tudo para impedirem que que milhares de pessoas se refugiem no sul especialmente em Bamako.

O Programa Alimentar Mundial estima que cerca de 500 mil pessoas procuraram refúgio desde que os rebeldes assumiram o controlo do norte do país em março de 2012.

“Os rebeldes bateram-nos e violaram-nos. Fizeram-nos de tudo. Violaram as crianças. Fizeram-nos de tudo”, disse uma refugiada.

“Existe um grande número de refugidos e a nossa grande preocupação é que as crianças sejam separadas das famílias, tornando-se muito mais vulneráveis a muitas formas de abuso, incluindo o recrutamento e a violência sexual”, sublinhou uma porta-voz da UNICEF.

Alguns malianos já sentiram na pele a crueldade da lei da Sharia imposta pelos rebeldes islamitas.

A flagelação e as amputações são alguns dos castigos aplicados a quem é tido como prevaricador.

O proprietário de uma pequena loja em Bamaco, era motorista de camião até ao dia em que no norte foi detido pelos rebeldes que o acusaram de ser espião. Como castigo, e de acordo com a Sharia, amputaram-lhe uma mão:

“Gritei o mais alto que pude. Gritei e chamei por Deus. Não olharam para mim e filmaram com os telemóveis enquanto me cortavam a mão. Quando não podia gritar mais, mostraram-me a mão amputada. Eu estava como que inconsciente com os olhos abertos. Perguntaram-me o nome e a alcunha, despejaram água fria em cima de mim e depois levaram-me para o hospital”.