A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ucrânia procura no gás de xisto uma alternativa ao gás russo

Ucrânia procura no gás de xisto uma alternativa ao gás russo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Ucrânia tenta diminuir a dependência do gás russo, ao lançar a exploração das jazidas de gás de xisto no país.

A concessão, por 50 anos, de duas áreas no país foi assinada ontem entre o presidente ucraniano e a holandesa Shell.

Um contrato de dez mil milhões de dólares, o maior do género até hoje na Europa, que suscita dúvidas sobre o impacto ambiental do projeto.

O ministro da energia ucraniano, Eduard Stavytski, afirma: “tenho a certeza de que este é um passo importante para a independência energética do nosso país. É por isso que abrimos as portas a uma empresa europeia com a assinatura deste contrato”.

Mas a exploração deste tipo de gás através do método de fraturação hidráulica, alvo de uma moratória em alguns países europeus, preocupa a oposição:

“Nós precisamos de um plano de extração deste gás que seja transparente para perceber quais são os riscos e quem vai pagar em caso de impacto ambiental adverso, ou se cabe apenas ao país gerir um eventual problema”, afirma o deputado do partido “Svoboda”, Andriy Mokhnyk.

Com o novo contrato, a Ucrânia espera poder evitar a repetição das crises do gás russo de 2006 e 2009.

O método de fracturação hidráulica, autorizado na Grã Bretanha desde o ano passado, é temido noutros países por poder contaminar a água, os solos e mesmo provocar sismos.

O governo ucraniano afirmou ter plena confiança na Shell para prevenir este tipo de consequências ambientais.