A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Aniversário sangrento no Egito

Aniversário sangrento no Egito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi um aniversário sangrento, os egípcios celebraram dois anos da revolução que depôs Hosni Mubarak e na cidade de Suez pelo menos 8 pessoas, 7 civis e um polícia, morreram numa manifestação reprimida pelas forças da ordem. De acordo com fontes médicas, os civis foram baleados no ventre e no peito. Face aos graves disturbios, o governo mobilizou as forças armadas na cidade.

Mas Suez não foi um caso isolado de protestos, na maioria entre opositores ao poder islamita e as autoridades. O ministério da Saúde registou quase 400 feridos em incidentes em várias cidades do país, incluindo Cairo e Alexandria.

O presidente Mohammed Mursi pediu à população para rejeitar a violência. O divórcio entre parte da população e o chefe de Estado, apoiado pela irmandade muçulmana, ficou bem patente nas ruas.

Mohammed Shaikhibrahim é o enviado da Euronews ao Cairo que constatou que “a frustração que a sociedade egípcia vive transformou a celebração do 25 de janeiro em violentos confrontos no Cairo e outras cidades, um sinal de que a revolução pode provavelmente fazer nascer outra revolução”.