Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Tombuctu património da Humanidade

Tombuctu património da Humanidade
Tamanho do texto Aa Aa

Tombuctu, património da Humanidade desde 1988, sobreviveu até hoje, desde a fundação pelos tuaregues em 1100.
Três das mesquitas dos séculos XIV e XV são as mais antigas do África ocidental; os mausoléus e manuscritos antigos constituem um tesouro único que suscita muitas preocupações.

Os radicais islâmicos de Ansar Dinem destroem tudo à sua passagem.
Em junho, destruiram os santuários sufitaspor consideraram o culto como idolatria, pois a versão que têm do islão é bastante primária e rigorosa.

A destruição de monumentos é utilizada como arma contra a UNESCO, que uns dias antes, classificou Tombuctu património mundial em perigo.

Em julho, a diretora geral da UNESCO alertou, mais uma vez, para o risco que corria o património cultural da cidade:

Irina Bolova. Directora General de la UNESCO

“Estamos muito preocupados com o que se está a passar no Mali, preocupadíssimos com as destruições do Património da Humanidade, mausoléus, mesquitas e manuscritos com enorme valor para a Humanidade.”

Os manuscritos de Tombuctu, que serão cerca de 100 mil, são tesouros de valor inestimável. Este património sobreviveu desde o período pré-islâmico no seio das famílias, através das gerações. Os documentos abrangem todos os domínios do saber humano, desde a astronomia ao direito.

Foi um capital cultural assegurado pelos nómadas
durante das longas viagens de caravana, repetidas através dos séculos, principalmente no séc XIV e XV, quando a região do sul do Sara era próspera.

Um dos responsáveis pela missão cultural Imbuktu
exemplifica com o caso dos nómadas: “todos têm bibliotecas ambulantes. Quando levantam o acampamento, colocam os manuscritos em bolsas de couro e escondem-nos em covas que tapam. A população desloca-se. TRês ou quatro meses depois regressam e como a população conhece bem o terreno, desenterra a biblioteca. Nalguns casos conservam os arquivos, mas em péssimas condições”.

Os arquivos milenares têm desafiado os tempos. Muitos foram afetados pela humidade e a traça…tem havido esforços de restauração e duigitalização. Mas os tempos modernos trouxeram uma ameaça mais destruidora e terrível dos que havia outrora em Tombuctu: o fanatismo dos grupos armados.