A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Destacamento africano chega ao Mali para ajudar franceses

Destacamento africano chega ao Mali para ajudar franceses
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No dia 11 de janeiro, a França, antiga metrópole, intervém militarmente no Mali.

A operação Serval procurava travar o avanço dos jihadistas para Bamako, a capital, e proteger cerca de 6 mil residentes franceses.

Só o exército do Mali, mal equipado, luta lado a lado com os franceses. Os aliados ocidentais de França limitaram-se a oferecer apoio moral.

Paris teve de pedir autorização a Espanha e à Argélia para sobrevoar o seu espaço aéreo. Outros países, como os Estados Unidos ajudam logisticamente, nomeadamente com o transporte de tropas e de material.

Coronel Shawn Unerwood, exército norte-americano:

“Os Estados Unidos proporcionam apoio logístico e informações militares aos militares franceses. Não vamos tomar parte em nenhuma operação de combate”.

Atualmente, no Mali, os franceses têm um contingente de 3500 soldados a que se soma aos 2000 africanos que estão no terreno.

Paris quer que a Missão Internacional de Apoio ao Mali, a MISMA, passe rapidamente o testemunho para que se possa garantir a segurança do país. A maioria dos militares pertence à CEDEAO com um contingente do Chade.

Coronel nigeriano Soumaila Babayako:

“Ao contingente nigeriano seguir-se-ão os de Togo, Burkina Faso e Níger.”

O Senegal, a Guiné, a Costa de Marfim, o Gana, o Togo, o Benin, Burkina Faso, Níger, com contingentes que variam entre os 120 e os 730 militares, e a Nigéria com 1200 soldados e o Chade com 2000.

O destacamento das tropas está em curso, como se verificou na segunda-feira pela passagem do contingente nigeriano na fronteira.

A MISMA vai contar com 8844 soldados – 2000 já no terreno e 6844 a chegarem.
Os custos da operação elevam-se a 740 milhões de euros.

Ainda é preciso encontrar fundos para financiar este exército africano e treinar os soldados que devem assegurar o controlo de todo o território do mali.

O inimigo tornou-se invisível, diluiu-se pelas aldeias, pelas grutas da montanha e pela fronteira com a Argélia.