A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Pequim: acusações de ciberespionagem são infundadas

Pequim: acusações de ciberespionagem são infundadas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O governo chinês diz que as acusações de ciberespionagem feitas por uma empresa de norte-americana são infundadas.

Um relatório divulgado esta semana identificou uma unidade secreta do Exército Popular de Libertação da China como o grupo responsável pela maioria dos ciberataques a organizações americanas e estrangeiras nos últimos anos.

Pequim rejeita as acusações:

“Fazer especulações deste tipo revela uma grande falta de profissionalismo e irresponsabilidade, mais não ajuda a resolver o problema. A China também é uma vítima de ciberataques. Como já tive oportunidade de dizer, na nossa opinião, muitos destes ataques foram perpetrados pelos Estados Unidos” adianta Hong Lei, porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês.

A segurança junto à unidade sediada em Xangai identificada como sendo responsável por centenas de ataques informáticos foi, entretanto, reforçada.

A investigação levada a cabo ao longo dos últimos três anos, revela que as empresas energéticas eram um dos alvos privilegiados dos hackers.

Da lista de empresas vítimas de ataques informáticos fazem partes nomes como a Apple e o Facebook.