Última hora
This content is not available in your region

Justiça americana face "aos ventos de mudança" do casamento gay

Justiça americana face "aos ventos de mudança" do casamento gay
Tamanho do texto Aa Aa

Defensores e opositores do casamento gay reunidos frente ao Supremo Tribunal norte-americano, onde se discute a constitucionalidade da “Proposta 8” californiana e da lei federal de Defesa do Matrimónio, dois textos contrários aos interesses dos casais homossexuais.

As expectativas são grandes, mas a decisão dos juízes é incerta. “Penso que o tribunal é capaz de nos surpreender, tanto num sentido como no outro. Não tenho certeza nenhuma sobre o que os juízes farão”, diz uma mulher, na manifestação a favor do casamento gay.
Um homem, na mesma manifestação diz: “Penso que a justiça vê o avanço das coisas, o movimento da história, neste momento, é incrível. Os juízes só têm de decidir de que lado da História querem ficar.”

Segundo as sondagens, dois terços dos americanos são favoráveis ao casamento entre pessoas do mesmo sexo: casais como Morgan e Vitoria, duas mulheres a cujo casamento a euronews pôde assistir. Tiveram de vir do Mississípi, onde moram, a Washington, onde o casamento lésbico é autorizado, para poderem dar o nó.

Mas para grupos conservadores, como a Heritage Foundation, o casamento homossexual põe em risco a sociedade, já que não permite a conceção de filhos, como explica Ryan Anderson: “Defendemos que o casamento é a união entre um homem e uma mulher, que se tornam esposos para serem pai e mãe das crianças que esta união produza. Isto baseia-se no facto biológico de que são necessários um homem e uma mulher para produzir uma criança.”

Apenas nove Estados norte-americanos, assim como o Distrito da Columbia, autorizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo; oito reconhecem a união de facto.

Segundo Stefan Grobe, o correspondente da euronews em Washington: “Houve uma grande mudança na opinião pública, favorável agora ao casamento homossexual. E os políticos, de Hillary Clinton passando por republicanos, já declararam igualmente apoiá-lo. Está agora nas nãos da justiça impedir ou reforçar os ventos de mudança.”