Última hora
This content is not available in your region

Coreia do Norte "recua" ao anunciar retoma do programa nuclear

Coreia do Norte "recua" ao anunciar retoma do programa nuclear
Tamanho do texto Aa Aa

A Coreia do Norte mantém a pressão sobre a comunidade internacional, ao anunciar que vai reabrir a central nuclear de Yongbyon, encerrada em 2008.

Uma decisão que reforça a vontade de Pyongyang de não regressar à mesa das negociações que tinham permitido o desmantelamento de parte da instalação em troca de ajuda alimentar e energética norte-americana.

Kim Jong Un parece, no entanto, recuar na sua “declaração de guerra”, depois de ter anunciado, no domingo, que o regresso ao nuclear tem por objetivo “manter o poder de dissuasão atómica do país”.

Tanto a China como a Coreia do Sul lamentaram esta manhã a decisão de Pyongyang.

“Se as informações são verdadeiras, é verdadeiramente lamentável. A Coreia do Norte deve manter as suas promessas e compromissos de desnuclearizar a península da Coreia. O nosso governo está a acompanhar a situação de perto”, afirmou Chao Tai-Young, o porta-voz da diplomacia sul-coreana.

Pyongyang multiplica as provocações, para já verbais, desde que um terceiro teste nuclear, em fevereiro, levou a ONU a reforçar as sanções contra o país.

O regime comunista tinha declarado há dias ter entrado em estado de guerra com o sul, levando os EUA a enviar um navio porta-aviões para a região.

Washington sublinha que, apesar da retórica dura do regime não constatou, até ao momento, nenhuma movimentação militar consequente.