Última hora
This content is not available in your region

Maioria dos prisioneiros palestinianos recusa alimentos

Maioria dos prisioneiros palestinianos recusa alimentos
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 3000 palestinianos detidos por Israel recusaram alimentar-se, esta quarta-feira. Hoje, assinala-se o dia do prisioneiro e as manifestações de apoio aos 4700 homens e mulheres que se encontram nas prisões israelitas multiplicaram-se na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Os palestinianos apelam, também, à libertação de todos aqueles que estão em greve de fome desde 2012. É o caso de Samer Issawi que não come há praticamente 270 dias e que está a ser alimentado por via intravenosa.

“Gostava que todos os prisioneiros fossem libertados especialmente o meu filho. Não existe uma lei no mundo que proíba uma mãe ou a família de visitar o filho na prisão em greve de fome há oito meses, sobretudo, tendo o conta o atual estado de saúde” afirma a mãe de Issawi.

A saúde de Issawi, de 32 anos, inspira cuidados. O palestiniano, acusado de estar envolvido em ataques contra alvos israelitas, foi condenado a 26 anos de prisão. Libertado em 2011 acabou por ser detido, em julho do ano passado, alegadamente por ter tentado entrar em Jerusalém de onde é natural.