Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Austeridade assenta num erro de Excel?

Austeridade assenta num erro de Excel?
Tamanho do texto Aa Aa

A teoria económica que tem servido aos governos de todo o mundo para justificarem a austeridade está impregnada de erros. Foi a conclusão a que chegou uma equipa de investigação da Universidade do Massachusetts.

Os académicos refizeram as contas e descobriram erros de cálculo no estudo da Universidade de Harvard, que concluiu que os países com uma dívida pública acima dos 90% sufocam o crescimento económico.

O trabalho realizado em 2010 por Kenneth Rogoff, antigo economista chefe do FMI, e por Carmen Reinhar, em Harvard, tem sido citado para justificar a austeridade. Agora, a revisão feita pelos académicos da Universidade do Massachusetts prova que, em vez de uma contração média de 0,1%, as economias dos países com um rácio de dívida acima do 90% cresceram 2,2% no período analisado, apenas menos 1% do que os países com rácios de dívida pública mais baixos.

As críticas estendem-se à metodologia e ponderação dos dados feita em Harvard. Rogoff e Reinhart já reconheceram o erro de Excel, mas insistem que as suas conclusões estão corretas.