A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Pai de alegados bombistas de Boston pretende ir aos Estados Unidos

Pai de alegados bombistas de Boston pretende ir aos Estados Unidos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O pai dos irmãos Tsarnaev, acusados da autoria do duplo atentado de Boston, afirmou que vai viajar aos Estados Unidos para “descobrir a verdade” e reclamar o corpo do filho mais velho.

Numa conferência na capital do Daguestão, os pais dos alegados bombistas voltaram a rejeitar a responsabilidade dos filhos.

A mãe disse que as autoridades norte-americanas “afirmaram que não os deixariam ver [o filho mais novo] Dzhokhar”, que se encontra hospitalizado “até que ele esteja na prisão”. Zubeidat Tsarnaeva acusa os Estados Unidos de quererem que ela, o marido e toda a família “sejam vistos como terroristas”.

Nos últimos dias, o FBI norte-americano e os serviços secretos russos interrogaram em conjunto, no Daguestão, os pais dos dois irmãos Tsarnaev.

Visivelmente emocionada, a mãe afirmou ainda que “pensava que a América iria proteger os filhos, mas aconteceu o contrário”. Tsarnaeva acusa os Estados Unidos de lhe “tirarem os filhos”.

O presidente russo diz que o ataque de Boston prova que a linha dura do Kremlin face aos insurgentes no Cáucaso do Norte é justificada e que a Rússia e os Estados Unidos devem reforçar a cooperação em termos de segurança.

Vladimir Putin defendeu estas posições no programa televisivo anual onde responde a questões de cidadãos russos.

O chefe de Estado afirmou que “a Rússia é uma das primeiras vítimas do terrorismo internacional”. O presidente russo disse esperar que “esta tragédia aproxime [a Rússia e os Estados Unidos], para impedir as ameaças comuns, a mais perigosa das quais é o terrorismo”.

Putin criticou no passado os Estados Unidos por subestimarem a ameaça dos militantes islamitas no Cáucaso do Norte.