Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas acerta agulhas para travar evasão fiscal

Bruxelas acerta agulhas para travar evasão fiscal
Tamanho do texto Aa Aa

São cofres que a União Europeia quer tornar públicos em tempos de recessão. Receitas nem sempre declaradas e que somadas representam autênticas fortunas.

A evasão fiscal vai dominar a cimeira dos chefes de Estado e de Governo dos 27 que, hoje, se realiza em Bruxelas.

De acordo com o presidente da Comissão Europeia o total das receitas perdidas devido à fraude e evasão fiscal representa cerca de mil milhões de euros por ano, praticamente o dobro do défice anual total de 2012 de todos os Estados-membros.

No entanto, e para avançar com medidas concretas é preciso unanimidade no seio dos 27.

Barroso desafia os Estados-membros a aprovar as propostas legislativas já apresentadas e a melhorar a coordenação a nível europeu.

O Chipre é apontado como um dos países que promove a evasão fiscal. Uma ideia rejeitada pelo chefe de Estado durante uma entrevista à Euronews. Segundo Nicos Anastasiades, Chipre aplica todos os procedimentos internacionais de combate à evasão fiscal, uma situação que, adianta, não ajuda a ultrapassar o período difícil em que o país se encontra. Para Anastasiades, Chipre não é conhecido pela lavagem de dinheiro.

Certo, é que o sol está longe de ser o único atrativo do país. Os baixos impostos e os rendimentos sobre capitais, bem como, as regras de regulação das transações financeiras e o sigilo bancário, atraíram grandes investidores estrangeiros e muitos milhões de euros.