A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Assassinato de soldado britânico provoca faíscas islamofóbicas

Assassinato de soldado britânico provoca faíscas islamofóbicas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Flores em homenagem ao soldado britânico que, esta quarta-feira, foi assassinado à machadada, por dois homens.

O Comando de Contraterrorismo da polícia assumiu a investigação do ataque, que ocorreu próximo de um quartel de Woolwich, no sudeste de Londres.

A população londrina deixou, também, no local do crime, ‘t-shirts’ com a legenda “Help the Heroes”, tal como a que a vítima vestia no momento em que foi morta. Uma t-shirt da organização caritativa de ajuda aos feridos de guerra britânicos.

Um videasta amador filmou esta conversa, de um dos alegados autores do crime: “Lamento que as mulheres tenham de assistir a isto. Mas, na nossa terra, as nossas mulheres também assistem a coisas semelhantes. Vocês nunca estarão a salvo. Demitam os vossos governos, que não se preocupam convosco. Acham que o Cameron vai ser apanhado na rua? Quando começarmos a empunhar as armas, acham que os políticos vão morrer? Não! Quem vai morrer são vocês e os vossos filhos. Livrem-se deles. Digam-lhes que retirem as tropas enquanto ainda podem viver em paz.”

Os suspeitos, que dizem ter agido em nome de Alá, foram alvejados pela polícia e estão hospitalizados sob custódia.

O receio, agora, é que o ato leve a um aumento da islamofobia, no país, como explica o analista Mohammed Ansar: “Temos assistido a uma escalada da tensão; uma histeria face aos muçulmanos e ao islão; medo, ódio e xenofobia face aos estrangeiros e aos imigrantes. Neste caldeirão político, este género de faíscas pode causar mesmo muitos, muitos danos. O perigo é esse, é que as comunidades se fechem em si próprias.”

E as faíscas já começaram a fazer-se sentir: Nas horas que se seguiram ao homicídio, dois homens foram detidos na sequência de ataques a mesquitas nos arredores de Londres e militantes da extrema-direita britânica desceram à rua em protestos, envolvendo-se em confrontos com a polícia.

“Já chega. A nossa mensagem é: ‘Já chega’! Temos líderes fracos, uma polícia fraca. A polícia e os líderes andam em pontas de pés, sem tocar no assunto. E o assunto é o Islão político que está a alastrar pelo país”, vocifera, no meio da multidão, Tommy Robunson, líder do movimento de extrema-direita, English Defense League.

O Conselho Muçulmano do Reino Unido condenou “sem reservas” o assassinato do soldado, que qualificou como “um ato bárbaro e sem qualquer relação com o islão”.