Última hora
This content is not available in your region

UE alerta para aumento das drogas que escapam às leis

UE alerta para aumento das drogas que escapam às leis
Tamanho do texto Aa Aa

A canábis continua a ser a droga mais consumida na Europa, usada de forma quotidiana por cerca de três milhões de pessoas. O relatório anual do Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência publicado esta terça-feira em Lisboa revela uma descida no consumo da cocaína e heroína, mas frisa que o uso de drogas ilícitas mantém-se “historicamente elevado”.

Pelo menos 85 milhões de europeus adultos já consumiram, nalgum momento da sua vida, algum tipo de droga ilegal.

O mercado das drogas está “em plena mutação” e é “mais fluido e dinâmico”. O relatório frisa particularmente a evolução “muito rápida” das novas substâncias psicoativas que imitam os estupefacientes tradicionais, muitas vezes vendidas como “euforizantes legais”.

O desconhecimento das composições químicas exatas, vazios legais e a internet facilitam este comércio e o seu consumo, associado a mais de quarenta mortes na Europa.

O especialista Laurent Laniel explica que “nas grandes cidades europeias, o leque [de novas drogas sintéticas] que se oferece aos consumidores é agora muito maior, sobretudo no que diz respeito a drogas estimulantes, que podem dar lugar a usos problemáticos e a um consumo pesado, prejudicial para a saúde e para a situação social e familiar, como acontece com os utilizadores de heroína”.

A instituição europeia alerta ainda para o potencial impacto negativo das políticas de austeridade nos programas nacionais de prevenção e tratamento da dependência.

Tiago Marques, euronews: “As tendências do tráfico e do consumo de drogas podem ser analisadas em variadíssimos contextos. Mas há uma questão que está sempre presente: trata-se da Saúde Pública. Os peritos são unânimes: no atual contexto económico, um dos principais fatores de risco para o insucesso das políticas nacionais de prevenção e tratamento são os cortes no financiamento dos serviços de saúde e de inserção social na Europa.”