A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Parque Gezi serve de abrigo na expetativa de mais confrontos

Parque Gezi serve de abrigo na expetativa de mais confrontos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O parque, cuja defesa serviu de pretexto para a mobilização anti-Erdogan, é agora um ponto de descanso. Entre invólucros de gás lacrimógeneo, muitos manifestantes, sobretudo jovens, garantem que não arredam pé contra um governo que acusam de “autoritário” e de querer islamizar a Turquia, restringindo, por exemplo, o consumo de álcool e as manifestações públicas de afeto.

“Eles tornaram violenta uma manifestação pacífica. Quando nos apercebemos que havia confrontos em Besiktas, viemos do lado asiático. Demorámos cinco horas. Estamos aqui desde a madrugada. Não nos vamos render à polícia. O governo tem de cair”, dizia uma jovem no local. Um dos seus amigos contava que “eles avançam sem dó, nem piedade. A polícia ataca como se nos fosse matar. Não confiamos neles.”

A pretendida demolição do Parque Gezi e do Centro Cultural Ataturk, num contrato adjudicado a uma empresa de construção ligada ao governo, tornou-se no símbolo da contestação vinda dos mais diversos quadrantes políticos turcos.

O jornalista da euronews Bora Bayraktar relata que “a violência que tem dominado Istambul, nos últimos dias, tem períodos de acalmia, mas os protestos continuam. Aqui, no Parque Gezi, mantêm-se centenas de pessoas que se dizem preparadas para o caso de haver novos confrontos.”