Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

EUA favoráveis à criação de uma zona de exclusão aérea na Síria

EUA favoráveis à criação de uma zona de exclusão aérea na Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos ponderam a possibilidade de impor uma zona de exclusão aérea na Síria, depois da Casa Branca ter reconhecido ontem que Damasco ultrapassou a “linha vermelha” ao utilizar armas químicas no conflito.

Washington analisa agora a possibilidade de fornecer armas aos rebeldes e de encerrar o espaço aéreo na fronteira entre a Síria e a Jordânia.

Barack Obama reúne-se na próxima semana com Vladimir Putin, durante a cimeira do G8, para tentar convencer a Rússia a aceitar uma intervenção no território, apesar da aliança com o regime de Bashar Al-Assad.

A NATO, que poderia supervisar uma possível zona de exclusão aérea parece, por agora, preferir continuar a fazer pressão sobre Damasco para que aceite receber a missão da ONU responsável pela investigação sobre a utilização de armas químicas.

O secretário-geral a Aliança Atlântica, Anders Fogh Rasmussen afirma que, “é urgente que o regime sírio garanta o acesso da ONU ao território para investigar as acusações relativas ao uso de armas químicas, continuo a acreditar que a melhor solução é antes de mais política”.

Depois das provas avançadas por França e Reino Unido, há duas semanas, Washington tinha ontem reconhecido que entre 100 e 150 pessoas teriam morrido, na Síria, depois do regime ter recorrido a armas químicas, nomeadamente gás Sarin.