Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Qalibaf: o candidato que acredita na dança das cadeiras do poder

Qalibaf: o candidato que acredita na dança das cadeiras do poder
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Teerão e nas principais cidades do país, é um dado adquirido que Mohamed Qalibaf mostrou bastante trabalho na capital: construiu autoestradas e parques, melhorou os transportes públicos e os bairros da periferia.

Foi assim que ganhou uma popularidade que não tinha, quando se apresentou pela primeira vez às presidenciais. Em 2005 iniciou a carreira política quando deixou as Forças Armadas, em que ingressou aos 18 anos para a guerra contra o Iraque.

Mahmud Ahmadinejad, presidente da câmara de Teerão ganhou as eleições presidenciais de 2005. Qalibaf, que dizia não pertencer a nenhum partido, teve de se conformar com a quarta posição. Agora espera que a passagem pela Câmara de Teerão lhe sirva também de trampolim, como serviu ao antecessor.

Naquela época, Qalibaf não tinha muito boa reputação. Tinha chegado a general muito novo e coube-lhe reprimir a repressão dos estudantes durante a revolta de 1999.

Um ano depois, o Guia Supremo deu-lhe o comando da Polícia, cargo que ocupou até 2004. Durante o mandato sucederam-se as reformas da instituição, mas também se multiplicaram as detenções de intelectuais.

A derrota nas presidenciais de 2005, abriu-lhe o caminho para a presidência da câmara de Teerão. A rivalidade entre ele e o antecessor na Câmara de Teerão alimentou muitas páginas na imprensa.

Recentemente, Qalibaf aproximou-se dos conservadores moderados e tenta estabelecer laços com os reformistas.

Fez uma campanha eleitoral baseada na situação económica. Recordou, constantemente, as suas origens modestas, prometeu aos mais desfavorecidos criar empregos e controlar a inflação. Destacou os lucros da própria gestão da capital, tentou agradar à classe média urbana e à população rural.

Nos comícios falou pouco do programa nuclear iraniano e criticou bastante o atual regime.