Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Encerramento de televisão pública abre crise política na Grécia

Encerramento de televisão pública abre crise política na Grécia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O encerramento da companhia de rádio e televisão pública grega ameaça aprofundar a crise política no país, num momento em que, segundo as sondagens, cerca de 68% dos gregos estão contra a decisão do governo.

Os dois partidos minoritários da coligação governamental rejeitaram ontem a proposta do primeiro-ministro de reativar as emissões com apenas um quarto dos cerca de 2600 trabalhadores, durante um período transitório de dois meses.

Antonis Samaras deverá reunir-se com os líderes do PASOK e do partido Esquerda Democrática, na segunda-feira, para tentar chegar a um acordo, quando o governo pretende criar uma nova companhia de televisão até ao final de Agosto.

Apesar da interrupção das emissões hertzianas, os jornalistas continuam a transmitir os programas via internet, pelo quinto dia consecutivo.

“O que o governo de Samaras está a fazer é inaceitável, trata-se de algo absolutamente inédito, e os trabalhadores não vão permitir a abertura de um novo canal”, afirma um produtor da ERT.

O governo justifica a decisão com os custos elevados do canal, ameaçando mesmo revelar o que considera ser, “os escândalos da gestão do canal”.

Um economista grego avança uma tese sobre os objetivos do encerramento abrupto, “penso que o governo tem medo da reação da população e dos trabalhadores, eles estão a tentar vender a televisão pública para poder comercializar as frequências, provavelmente para entregá-las ao setor privado de forma a que sirvam os interesses do governo”.

Depois das manifestações dos últimos dias, o sindicato dos jornalistas convocou uma nova greve, este sábado, que deverá perturbar as edições de domingo dos principais jornais gregos.

O tribunal constitucional grego deverá pronunciar-se, no início da próxima semana, sobre a legalidade do encerramento da ERT, visto como mais uma medida de austeridade quando Atenas se comprometeu com a “Troika” a despedir 4 mil funcionários públicos este ano e mais 15 mil até ao final de 2014.