Última hora
This content is not available in your region

UE adia negociações de adesão numa Turquia que procura terroristas

UE adia negociações de adesão numa Turquia que procura terroristas
Tamanho do texto Aa Aa

Alguns manifestantes esmoreceram junto à Praça Taksim, em Istambul. Não porque lhes faltava a força, mas para simular o momento em que um outro manifestante foi alvejado mortalmente por um polícia em Ancara. O mesmo polícia que as autoridades turcas deixaram aguardar julgamento em liberdade, sob a presunção de que se tratou de um ato em legítima defesa.

Entretanto, as forças turcas detinham cerca de 20 pessoas em Ancara, suspeitas de pertencerem a uma organização terrorista cujo nome não foi divulgado, e à qual o governo atribui a manipulação dos protestos.

Para tentar colmatar as críticas de fora, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan recebeu Thorbjorn Jagland, secretário-geral do Conselho da Europa. “A Turquia é um dos países fundadores do Conselho da Europa, temos de nos ouvir. Estivemos a debater o que pode ser feito para que a Turquia continue no caminho das reformas necessárias”, declarou Jagland.

O violento desfecho das manifestações, com quatro mortos e mais de sete mil feridos, fez com que a União Europeia adiasse para outubro a retoma das negociações de adesão, quando a Comissão Europeia apresentar um relatório sobre as reformas e os direitos humanos naquele país.